Saúde é um dos setores mais inovadores do Brasil

Novos produtos e serviços auxiliam na eficiência do segmento

Enquanto as grandes empresas começam a olhar para inovação com um pouco mais de interesse, surgem startups que passam a oferecer produtos e serviços voltados para a solução de problemas. Ou seja, o empreendedorismo e a vontade de crescer são dois dos pilares para que o ecossistema de inovação em saúde no Brasil seja um dos principais no mercado mundial.

Ao menos essa é a opinião do co-fundador do Instituto para Inovação em Saúde I2H, Carlos Ballarati. Para ele, a grande dificuldade na inovação é que o mercado brasileiro se caracterizou por desenvolver novos serviços, mas não é tão inteligente no desenvolvimento de produtos.

Porém, o que faz todo o setor crescer é desenvolver um ambiente mais propício. “A grande diferença em comparação com outros lugares que têm uma cultura inovadora é que os investidores têm uma cultura de risco, de perda. Diferente dos brasileiros, que são mais conservadores. As pessoas têm medo de que as inovações possam colocar a qualidade do atendimento em risco ou até a saúde do paciente. Mas a inovação pode ajudar tanto em um quanto em outro”, diz ele.

Uma das ferramentas que pode ajudar os pilares da inovação são os institutos que buscam juntar tanto as startups, quanto as grandes empresas, além das fontes financiadoras de projetos. Assim, é mais fácil que a inovação aconteça em todas as esferas.

“É preciso ter uma visão otimista. Embora o cenário político brasileiro não seja tão animador, isso não é obstáculo para tentar inovar no setor da saúde. É um estímulo, porque existem, cada vez mais, recursos limitados, que precisam ser mais eficientes”, finaliza Ballarati.

Esse será um dos assuntos abordados durante o Summit de Inovação em Saúde, realizado pela Contento Comunicação em parceria com o Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sindusfarma), no próximo dia 21 de agosto de 2018, na capital paulista. Saiba mais sobre o evento e participe!

One Comment

Não é permitido comentar.

voltar ao topo